sábado, 29 de março de 2014

Sobre um amor: música.

Longe de ser uma estudiosa, tenho uma paixão arrebatadora por música. Na verdade, melodias e arranjos me fascinam. Herança, dada ao longo de toda a minha vida, pelo meu pai, sou uma boba-chorona-apaixonada pela arte musical. Não conheço de nada muito, mas de muito, um pouco. Quem já perdeu um pouco de tempo conversando comigo sabe dos pontos que me encantam. Sons graves, percussão, e versões acústicas são, em resumo, o que me fazem pirar ouvindo uma música. Junte isso com uma boa letra e/ou melodia e voilá, você tem todo o meu amor (facinho, facinho!).

Eu, meu pai e meu irmão temos uma "boa-péssima" mania de analisar músicas. Tudo começou em 2000 e alguma coisa, na época em que o Raul Gil tinha o melhor programa de calouros que a gente já viu na vida. Sentávamos os três, na companhia também da mamãe, em frente à TV e "perdíamos" todas as tardes de sábado. Os anos foram passando e surgiram X-Factor, FAMA, The Voice, e o santo Youtube. A mania seguiu junto pelo decorrer dos anos. Descobrimos pessoas e versões de músicas que podem substituir, sem apego nenhum, 80% dos "cantores" e "bandas" atuais que os brasileiros ouvem. Ah, quanta coisa boa a gente já ouviu!

Nessa história, de ouvir tanto, a gente acaba descobrindo o que gosta e o que nem tanto. Voz, pra mim, só funciona se "encher", ouvir alguém cantando e parecer que "tá faltando" é uma das piores coisas que me ocorrem na vida. Uma boa voz? Aquela que arrepia nos primeiros acordes. Sou APAIXONADA por versões acústicas, tanto quanto AMO percussão. Antagônico, não? Típico da minha personalidade. Brinco dizendo que não sei fazer música, mas sei dizer o que funciona e o que não funciona DI-REI-TI-NHO. Meu pai vive falando que eu seria uma boa produtora, porém, meus artistas teriam sempre a mesma assinatura. Na verdade três. 
  • Ou as músicas começariam com voz e uma percussão pesada, digna de tambores de terreiro de macumba, e os outros instrumentos entrariam depois;
  • Ou começariam com arranjo simples, guitarra, baixo, bateria, e depois explodiria um solo de sax;
  • Ou eu faria EXATAMENTE, TAL QUAL, essa versão que acabei de descobrir, da música Ordinary Love, do U2.



Na verdade ainda estou um pouco nervosa, e ouvindo em looping eterno, essa que acaba de entrar pro ranking das melhores versões da minha vida. E não é me gabando (longe disso!), mas eu conheço música pra caralho, de vários ritmos, de muitas décadas. E essa é a personificação do que eu considero uma apresentação PERFEITA. Quando comecei a assistir o vídeo eu fiquei em choque, devido à qualidade inerente ao Bono (lógico!) e seus músicos. O dueto voz e violão é uma das coisas que requer mais talento e que me fascina ao nível: entrar em órbita ao redor da Terra! Fora isso, tive a grata surpresa da banda entrar do meio pro final da música num improviso, com a licença da palavra, filho da puta de lindo. Ah! :~~



Pra fechar o bonde, e me fazer cair em lágrimas, a música é linda e foi feita em homenagem a ninguém menos que o eterno Mandela! Me identifiquei com a letra, com o arranjo, com a apresentação. 
TE AMO, BONO, CASA COMIGO!

2 comentários: